Alasca: o estado norte-americano rico em natureza e que serve de inspiração para livros e filmes

O Alasca é um dos destinos mais isolados do mundo, e isso não acontece apenas por sua localização, na extremidade da América do Norte, mas também pelas temperaturas da região, que atingem graus abaixo de zero. Entretanto, este pedaço dos Estados Unidos esconde muitos segredos, belas paisagens e diferentes histórias para contar. Apesar de ser um local pouco procurado para o turismo padrão, o Alasca pode ser um destino único para muitas pessoas.

Comprado em 1867, em uma negociação entre os Estados Unidos e o Império Russo, o 49º estado norte-americano é uma das regiões mais desafiadoras do globo para alguns viajantes. Com temperaturas que ultrapassam os -50 °C, o Alasca é um destino tradicional para alguns aventureiros, conforme demonstra a história de André Fatini, professor de Física que chegou até lá de bicicleta. É por essas e por outras que a região tem muita história para contar.

O livro Na Natureza Selvagem, escrito por Jon Krakauer, talvez seja uma das histórias mais fortes a respeito da região. A aventura dramática de Christopher McCandless, que abandonou tudo para viver na natureza, correu o mundo e ganhou até mesmo uma versão em filme. Como lembra a reportagem do Omelete, a produção dirigida por Sean Penn, e com uma trilha sonora icônica de Eddie Vedder, conseguiu duas indicações ao Oscar e venceu diversos prêmios. Foi o suficiente para mostrar algumas das belezas que o Alasca tem a oferecer.

Por isso, decidimos separar algumas paradas praticamente obrigatórias para quem deseja conhecer o Alasca. São diferentes parques nacionais, locais para observar a aurora boreal e, obviamente, alguns pontos para experimentar a atividade mais tradicional da região: a pesca.

Parques Nacionais

Visitar o Alasca significa ter um encontro íntimo com a natureza, e é por isso que a região é tão celebrada por escritores e artistas. Cerca de 60% da região é composta por reservas naturais e parques. Ou seja, uma visita ao estado significa conhecer alguns destes locais. Segundo dicas do portal Visite os USA, o Parque Nacional Denali é um dos mais famosos da região. O local onde se passa a história de Na Natureza Selvagem conta com mais de 2,4 hectares, muita vida natural e o icônico Monte McKinley, com 6.200 metros de altura.

Fonte: pixabay.com

Entretanto, há outros parques que também não podem ser deixados de fora, já que a região é composta por vários deles. O Parque Nacional e Reserva do Lago Clark, o Parque Nacional de Katmai, o Vale de Kobuk e a Reserva Gates of the Arctic são algumas das dicas que podemos dar aos visitantes. Assim como acontece nos melhores parques naturais do Brasil, esses locais contam bastante a história da região por meio de seu visual único e praticamente 100% natural.

Pesca

Os parques naturais certamente são algo tradicional no Alasca, porém, em termos de turismo, fazem concorrência a uma das maiores atividades que acontecem por lá. A pesca na região é bastante forte e representa uma boa fatia da economia local. Além disso, a atividade constitui um aspecto cultural predominante e que conquistou o mundo. Por exemplo, o livro A Ilha de Sukkwan, escrito por David Vann, discorre um pouco sobre essa forte cultura. Fora dos livros, essa prática também é celebrada, como podemos ver, por exemplo, no site de roleta online da Betway, que faz uma homenagem às pescas abaixo de zero da região ao disponibilizar o caça-níquel Alaskan Fishing. Já na TV, o Alasca foi cenário de programas diversos, sendo um deles Pesca Mortal, do Discovery Channel. Isso mostra como a atividade é algo importante por lá.

Para os turistas, é uma oportunidade de ter essa vivência, que para muitos é bastante prazerosa e relaxante. A pesca no Alasca é uma experiência diferente, sendo que alguns locais alugam barcos para que as pessoas possam experimentar essa atividade em regiões mais afastadas. O portal Fishing Business, por exemplo, criou diferentes pacotes que levam turistas de todo o mundo para pesca de salmão no popular rio Kenai, além de outros lugares.

Aurora boreal

Falar sobre a beleza natural do hemisfério norte e não comentar a oportunidade de presenciar uma aurora boreal seria imperdoável. Essa obra de arte da natureza é mais conhecida, e comum, nos países nórdicos. Entretanto, o Alasca também é uma bela localização para presenciar esse festival de luzes no céu, principalmente entre os meses de setembro e outubro.

Fonte: pixabay.com

Com diferentes regiões de céu aberto e muita natureza, o Alasca é o cenário perfeito para conseguir acompanhar este efeito. A região de Trapper Creek, por exemplo, é ideal para isso e diferentes pessoas já tiveram uma experiência positiva e fascinante por lá. Além disso, outras localidades, como Fairbanks, Talkeetna e Fish Lake, também podem fazer com que a oportunidade de presenciar uma aurora boreal seja única.

O Alasca é uma região rica, seja culturalmente ou em termos de natureza, e por isso se trata de um destino com potencial de mudar a vida de qualquer um. A descoberta de um planeta mais cru, principalmente em regiões mais afastadas de quase tudo, aguarda os aventureiros que têm dentro do coração o sonho de pisar nesse solo. Apesar do frio intenso, e de algumas dificuldades para chegar até lá, todo o esforço faz essa vivência valer a pena. É na natureza que se pode conhecer um pouco mais de si mesmo, e o Alasca sem dúvidas tem o poder de proporcionar isso aos seus visitantes.

VIAJE COM A GENTE!

Quando você faz alguma reserva de hospedagem, compra uma passagem ou qualquer produto pelo blog, ganhamos uma pequena comisssão (você não pagará nenhum centavo a mais por isso). Isso faz com que possamos manter o site no ar.

Hospedagem: AIRBNB | BOOKING

Passagens Aéreas mais baratas: MAXMILHAS | VOOPTER

Aluguel de carros: RENTCARS

Chip para internet INTERNACIONAL: EASYSIM4U

Jair Rebello: Empreendedor e Nômade Digital. Largou um concurso público para desbravar o mundo ao mesmo tempo que cuida de sua empresa a bordo de seu Macbook Air 11'. Amazonense apaixonado por tambaqui e açaí.