Chapada da Diamantina: 7 Dicas Essenciais Para a Sua Viagem

Considerado um verdadeiro paraíso para quem ama ecoturismo e turismo de aventura, a Chapada da Diamantina é um dos parques nacionais mais visitados do Brasil.

E não é por menos, o lugar é repleto de belezas naturais e atrativos que são capazes de deixar os viajantes ocupados por várias semanas e é bem difícil não querer voltar mais e mais vezes.

Além das belezas naturais, o Parque Nacional da Chapada da Diamantina passa por lindas cidades, com muita história, gastronomia e um povo hospitaleiro!

Muita gente pensa em visitar a Chapada da Diamantina, mas não sabe por onde começar, por isso resolvemos reunir mais informações para que você saiba as dicas essenciais para a sua viagem à Chapada.

Foto: ICMBio

#1 Como Chegar à Chapada da Diamantina

A informação básica que você precisa saber antes de conhecer esse parque nacional são as cidades base.

A principal porta de entrada da Chapada da Diamantina é a cidade de Lençóis (BA). A cidade é bem estruturada, com várias opções de hospedagem, restaurantes e agências. A cidade de Lençóis fica a 450 km de Salvador.

A cidade possui um aeroporto que recebe voos da companhia Azul. Porém o preço da tarifa varia bastante e os voos são feitos apenas as quintas e domingos. Por isso é necessário se planejar bastante e rastrear os preços para economizar.

Por isso a maneira mais econômica de chegar até a cidade é de carro para quem vai em grupo, ou ônibus para quem está indo sozinho. O trajeto de carro dura 5h33min.

A empresa Rápido Federal faz os trechos de ônibus saindo de Salvador.

#2 Quando ir?

A época que você vai pode te trazer diferentes experiências. No verão por exemplo, chove mais na região, sendo bem possível que você pegue chuva durante uma trilha ou passeio. Mas o ponto positivo é que a temperatura mais alta faz os banhos de cachoeiras mais convidativos e os dias mais ensolarados.

Outro ponto positivo de ir à Chapada da Diamantina no verão é que as cachoeiras, corredeiras e riachos estão com mais água, fazendo bastante diferença nas foto e no mergulho.

Mas, no outono, entre março e maio, talvez seja a melhor combinação para você, já que as chuvas diminuíram e a vegetação continua verdinha.

No meio do ano, inverno, os dias tendem a ser mais nublados e algumas cachoeiras já estão mais secas por falta das chuvas.

Agora se você quer ver os famosos Poço Azul e Poço Encantado em sua melhor aparência, considere ir entre maio e setembro, que é quando há incidência de luz solar direta e a água fica incrivelmente linda.

Poço Azul na Chapada da Diamantina. Foto via.

#3 Quantos dias ficar?

Sem dúvidas, a Chapada da Diamantina (como qualquer outra chapada brasileira), não é um destino para passar um fim de semana.

Esse é um destino para pelo menos 1 semana, mas que pode te manter ocupado facilmente por 1 mês, com uma programação por dia.

Então a resposta é: quanto mais dias, melhor! Mas de 7 a 10 dias é considerado um período bom para conhecer os principais atrativos da Diamantina.

#4 Precisa de carro?

Alugar um carro, ou ir com carro próprio, com certeza faz a sua experiência na Chapada muito melhor (e mais econômica também). Sem dúvidas é a melhor opção para quem vai em dupla ou grupo de mais pessoas, pois te dá mais flexibilidade e a possibilidade de fazer tudo no seu tempo.

Porém, dirigir por lá é cansativo, já que as distâncias são longas e os dias são cheios. Por isso se você quiser mais conforto ou estiver indo sozinho, vale também contatar uma agência e guias da região para avaliar as condições e orçamentos.

#5 Precisa de guia para os passeios?

Alguns passeios vão te exigir guia, outros você consegue fazer sem e em outros você terá um guia incluído no passeio.

Nas trilhas mais longas e cansativas é necessário ter um guia, para a sua própria segurança e também para evitar perrengues. Exemplos são: travessia do Vale do Pati, Cachoeira da Fumaça, Cachoeira do Sossego, Trilha do Guiné-Capão. Na Cachoeira do Buracão é obrigatório a contratação de guia da associação local.

Entrada da Gruta do Morro Castelo no Vale do Pati. Foto via

Em outros passeios como o Morro do Pai Inácio, sempre há muita gente fazendo o passeio, então dá para seguir junto e fazer sem guia.

Há casos em que atração é em propriedade privada, como o Poço Encantado e o Poço Azul, que já oferecem guia quando você compra a entrada.

Mas principalmente se você estiver em grupo ou conhecer pessoas lá para dividir o guia, não fica caro contratar, e lembre-se que assim você estará contribuindo para a economia local e conservação do Parque.

 

#6 Cartão ou dinheiro?

Nem todo lugar aceita cartão na região, além disso, na cidade de Lençóis não há banco 24 horas, somente agência da Caixa e Banco do Brasil.

Lembre-se de sacar em Salvador ou na cidade de Itaberaba, onde há agências de outros bancos, para ter uma reserva de dinheiro com você.

 

#7 O que fazer na Chapada da Diamantina?

Confira aqui as melhores atrações da Chapada da Diamantina.

Leia também sobre outros parques nacionais incríveis no estado da Bahia.

VIAJE COM A GENTE!

Quando você faz alguma reserva de hospedagem, compra uma passagem ou qualquer produto pelo blog, ganhamos uma pequena comisssão (você não pagará nenhum centavo a mais por isso). Isso faz com que possamos manter o site no ar.

Hospedagem: AIRBNB | BOOKING

Passagens Aéreas mais baratas: MAXMILHAS | VOOPTER

Aluguel de carros: RENTCARS

Chip para internet INTERNACIONAL: EASYSIM4U

Nayandra Pereira: Tenho a alma desbravadora e sempre amei estudar a relação homem-natureza. Amo viajar e me conectar com novas pessoas, conhecimentos e culturas. Acredito que cada pessoa, através de si mesmo, pode contribuir para transformar realidades (e as viagens são ótimas desculpas para isso). Ah... tenho 25 anos, sou engenheira ambiental e mestre em recursos hídricos.